Boas práticas

Ler mais
Partilhar
Uma instituição da área hospitalar assumiu como desafio a prevenção dos riscos psicossociais – stress, esgotamento, pressão emocional, violência e assédio no trabalho, entre outros – em todos os contextos de trabalho da sua organização. Uma avaliação sistemática dos riscos e o esforço concertado de chefias e trabalhadoras/es para encarar os problemas já deram frutos: redução dos níveis de absentismo e de stress, maior satisfação no trabalho e ambiente de trabalho mais positivo.
Uma empresa de produção de turbinas eólicas enfrentava dificuldades para garantir condições de saúde e segurança ao seu pessoal, sobretudo quando este se deslocava para realizar trabalhos de manutenção ou reparação. Vários riscos existiam: trabalho em altura, trabalho com – ou dentro de – equipamentos rotativos e exposição a correntes elétricas, a isto somando-se o facto de ser comum, em casos de avaria, não se saber de antemão todos os perigos que podem surgir no curso da reparação. A necessidade de facer face a estas circunstâncias deu origem a um plano de gestão de segurança e saúde especialmente detalhado e abrangente.
Duas empresas a braços com a restauração de um convento medieval depararam-se com o desafio de garantir condições de segurança e saúde num contexto de trabalho muito exigente: ambas as empresas trabalhariam simultaneamente em tarefas distintas e o edifício permaneceria aberto ao público durante todo o projeto. Aliaram esforços para estabelecer um plano coordenado e cuidadoso de segurança e saúde.
Uma pequena organização de assistência social a jovens, dedicada à prestação de serviços de apoio a jovens com problemas, descobriu que as/os suas/seus trabalhadoras/es com mais de 50 anos estavam regularmente ausentes ou em situação de baixa prolongada por motivo de doença. Na tentativa de não perder estas/es trabalhadoras/es com mais experiência, foi estabelecido um projeto-piloto com o objetivo de redesenhar as funções desempenhadas utilizando uma metodologia participativa.
Uma grande empresa de exploração de carvão registou taxas elevadas de baixa por doença e de lesão musculoesquelética entre as/os suas/seus trabalhadoras/es. Lançou um programa para reduzir as baixas por motivo de doença e a incidência de lesões musculoesqueléticas através da prevenção. Tinha também como objetivo melhorar a saúde das/os trabalhadoras/es através de atividades de consciencialização e promoção da saúde.
Uma pequena organização de serviços de apoio à família tem um quadro de pessoal exclusivamente feminino que, devido à elevada exigência emocional do trabalho, sofria de um nível significativo de stresse e exaustão. Tornou-se claro que precisavam de encontrar uma maneira de melhorar as condições de trabalho e reduzir a rotatividade das trabalhadoras.